Em Geral

Um blog sobre todas as coisas Em Geral

Gente pobre, de Dostoiévski

Gente pobre é o primeiro romance de Dostoiévski e foi imediatamente aclamado pelo público, fazendo do autor um escritor consagrado da noite para o dia.

O livro é uma troca de cartas entre Makar Diévuchkin e Varvara Alieksiêievna, moradores de um dos bairros miseráveis de Petersburgo. Ele um funcionário público ordinário, um senhor de meia idade, e ela uma jovem órfã injustiçada, ambos pobres e praticamente jogados à própria sorte na Rússia de Nicolau I.  Há uma expressão dos afetos com grande sensibilidade e, ainda que apenas por cartas (de amor ou fraternais?) trocadas por ambos, traz ao leitor as condições de grave injustiça social em que viviam as populações da cidade e do campo daquela época. As vidas sofridas e os pequenos acontecimentos do dia-a-dia refletem as individualidades que se tornam insignificantes pela miséria.

Vale citar um trecho do posfácio do livro da Editora 34, da tradutora Fátima Bianchi. Nele a especialista diz que:

“No “homem sem importância”, na mais limitada natureza humana, ele procura mostrar um ser pleno, capaz de pensar e sentir, e mesmo de agir, da maneira mais profunda, apesar de sua pobreza e humildade social.

A intenção do escritor, na representação do cotidiano de seu personagem em sociedade, é demonstrar, através da imagem que ele tem de si mesmo, que sua miséria exterior não espelha o que lhe vai nas profundezas do coração.”

Os contos “O chefe da estação”, de Púchkin e “O capote”, de Gógol, são citados na obra, indicando as então principais influências de Dostoiévski.  Makar Diévuchkin, a propósito, lembra a todo instante o Akaki Akakievich de Gógol, ambos copistas, funcionários inexpressivos de repartição pública de Petersburgo, homens sem importância, pobres e desolados por serem privados do objeto de seu amor obsessivo.

É muito interessante a maturidade de Dostoiévski. Aos 25 anos – o livro foi escrito em  1845 e publicado em 1846 – conseguiu sair do completo anonimato para a glória, tendo sido imediatamente aclamado por poetas consagrados; Dmitri Grigoróvitch, por exemplo, logo após ler os  manuscritos de Gente pobre, anunciou o surgimento de um novo Gógol.

A predição de um grande futuro ao jovem escritor confirmou-se formidavelmente.

2 comentários

2 comentários até agora

  1. Em Geral » O idiota, de Dostoiévski maio 12th, 2017 18:01

    […] Idiota é bem diferente de Gente Pobre. Não é um livro fácil. A narrativa é um pouco cansativa. Há muitos personagens (às vezes […]

  2. […] 20 anos Gogol conheceu Púchkin (ambos influenciadores de Tolstoi e Dostoiévski), o maior escritor russo de então, e ficaram bem amigos.  Gogol não era político –  ao […]

Leave a reply