Trabalho novo da mamãe

 

Antes dos meninos nascerem eu já estava sem trabalhar fora de casa. Trabalhei formalmente até fins de 2008 e já comecei 2009 estudando para fazer concurso público. Passei o ano de 2009 fazendo cursos, estudando e cuidando da casa. Mas eu não estava feliz; pelo contrário, estava péssima. E então, em meados de 2010, eu dei uma guinada nas ideias.

Já expus aqui que 2010 foi um dos anos mais difíceis de nossas vidas: um ano emblemático, de mudanças. Passamos por doenças na família, morte, dificuldades em vários sentidos e foi aí então que eu – sendo obrigada a pensar e repensar a vida – percebi eu não queria estudar mais para concurso público, que eu não queria trabalhar na minha área de formação. Que eu precisava mudar. Mudanças às vezes são muito difíceis, mas penso que o stress do momento foi o empurrão.  A notícia da gravidez de gêmeos em dezembro me deu mais confiança na decisão de ficar em casa, sem trabalho externo. E foi assim por 6 anos. Se eu gostei? Amei. 

De vez em quando me batia algo estranho, um vazio. A cobrança dos outros também incomodava bastante. Sempre tem alguém para criticar a opção, dizer que eu me arrependeria, que minha faculdade não poderia ter sido perdida, que as crianças já já cresceriam e eu ficaria perdida! São tantos palpites… E também de vez em quando… batia aquele vazio. E eu ficava me remoendo como fazer algo diferente, sem comprometer meu tempo com os meninos. Porque eu adoro ficar em casa, adoro cozinhar pra eles, adoro deixar a casa arrumadinha e com cara de lar. Lar, aquele lugar em que a geladeira tem sempre uma comidinha, nem que seja só um arrozinho, feijão e um restinho de couve.

Foi então que em uma manhã de setembro deste corrente ano, em um dia lindo e ensolarado, resolvi mandar do clube mesmo – enquanto os meninos nadavam – um email para uma empresa que ja despertava meu interesse há muitos e muitos anos. Esta empresa tem um esquema de trabalho diferente, são apenas 25 horas por semana e o trabalho não é feito em dias corridos. Nada a ver com minha área de formação, muitíssimo pelo contrário, mas eu lidaria com muitas pessoas, o que me agrada bastante. Mandei o email e me espantei tremendamente, pois fui respondida em tempo recorde. Umas duas semanas apenas depois deste primeiro contato fui entrevistada pela gerente da filial. Conversa vai, conversa vem, fui contratada em um ano de grande crise no nosso país.

O papai precisou ajustar sua programação no trabalho pra conseguir buscar os meninos nos dias que eu estiver trabalhando à noite; os meninos também sentiram o baque de eu não estar em casa uma ou duas noites por semana. A filhota sentiu mais. Pelo menos falou mais. Reclamou e ainda reclama. Eu também senti bastante quando tive que ir trabalhar em um ou dois dias em que o filhote esteve com febre. Como as mães conseguem trabalhar o dia inteiro fora? Me pergunto todos os dias, sem exceção.

Apesar das pequenas dificuldades que vem cercando esta nova rotina e do baixo salário, tenho tido ganhos. Estou conhecendo muita gente nova. Saio de casa e sinto que faço algo importante para várias pessoas. Minha rotina mudou um bocado, aprendi a fazer coisas diferentes e tenho alguma expectativa de – no futuro – ainda mudar de função neste trabalho, o que me traria alguns outros desafios.  Realmente, como disse, o salário é bem baixo, mas eu também pouco comprometi meu tempo disponível para a família, que é algo que eu sei ser bastante importante para a comodidade de todos. Digo isto, claro, dentro do esquema da nossa casa, das nossas necessidades e possibilidades. Cada família se ajeita como acha que deve e pode.

Enfim, a mamãe tem um novo trabalho e as crianças estão se adaptando. Mais tarde – daqui a muitos anos – elas entenderão as necessidades desta nova etapa e verão o quanto fizemos e faremos sempre pelo seu bem estar.

 

 

Deixe uma resposta