Um estudo de A Chave do Tamanho

Bastante interessante “Um Estudo de A Chave do Tamanho”, de *Thiago Alves Valente. Li enquanto lia para os meninos a Chave propriamente dita e fiquei bastante interessada nos pontos ressaltados por Thiago. Esta obra de Lobato, lançada em 42, já na maturidade do autor, não recebeu a atenção que merecia. E isto é facilmente percebido.

A Chave foi escrita e publicada em pleno desenrolar da Segunda Guerra Mundial e traz questões darwinianas clássicas, como evolução e adaptação. Não à toa, moderna e avançada para o seu tempo, foi marcada pela dicotomização política típica daquele pós-guerra e por “discussões que puseram na berlinda a postura transgressora e relativista da obra na formação das crianças e jovens”, nos dizeres de Thiago Valente.

Naquele período (como parece ser o nosso também) falar sobre ciência para crianças era revolucionário e Monteiro Lobato foi acusado de estar doutrinando as crianças brasileiras para o comunismo. Realmente, Lobato deu atenção à ideias comunistas em algum momento de sua vida – o que encaro com bastante respeito, inclusive. Mas é de pobreza extrema de espírito tomar a obra A Chave do Tamanho como um texto de Comunismo para crianças, como o fez o Padre Sales Brasil, 10 anos após a morte do escritor. Como diz Thiago Valente, tornou-se notória e exemplar – no mau sentido – o modo ligeiro com que muitas vezes foi lido esse texto tão original de Lobato.

Enfim, nesta obra ciência e política são elementos da vida cotidiana da turma do sítio. Os dois temas entram na construção da narrativa. O relativismo também é a chave para propiciar a experiência de um mundo sob outra perspectiva e para permitir o rompimento dos limites entre realidade e fantasia.

Fala-se em morte, seja na guerra, seja em decorrência do apequenamento e é um dos poucos livros infantis cuja história se passa no conflito mundial, sendo que as narrativas são bem realistas: “Aviões sobrevoam a cidade em exercício de guerra. Moças da classe média apressam-se, em uniformes brancos, para servir à nação com o exercício da enfermagem. Batalhões marcham nas datas cívicas: bravura, ´pão de guerra´, gasogênio – a cidade de São Paulo à década de 1940.”.

Lobato já havia, de fato, falado de guerras em obras adultas e também nos livros infantis História do Mundo para Crianças, Geografia de Dona Benta e Reforma da Natureza. Na Chave do Tamanho, contudo, o assunto vem com força total e com grande caráter pedagógico, visando à formação de novas gerações. Vale ressaltar o que Thiago Valente afirma categoricamente: o livro se opunha frontalmente a discursos oficiais nos quais a guerra constantemente aparecia como momento de manifestação dos atos mais heróicos ou dos valores morais sublimes. Lobato tinha, então, uma visão bem mais progressista, não sei se posso dizer globalista, do mundo e das relações de poder. Ele se destacava a ponto de os conservadores acusarem-no de propagar ideais heréticos e pagãos. E especialmente na Chave do Tamanho cuidou para que a ciência fosse mostrada de forma bastante coloquial, sendo bem claro que aos sábios cabe mostrar à humanidade a melhor forma de se usar o conhecimento.

Enfim, gostei bastante de ler a análise de *Thiago Alves Valente. Não sou expert em literatura, apenas uma leitora interessada. Então sua dissertação de mestrado me abriu os olhos, me deu chances para uma melhor interpretação do texto e também de seu autor. Somente a propósito, vivemos em uma época difícil. Uma época de anti-intelectualismo. A ciência e os doutos são incômodos. A massa segue aquele que mais grita e xinga. A mim me parece que Lobato nunca foi tão necessário.

*Thiago Alves Valente é Professor do Centro de Letras, Comunicação e Artes da Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Atua como pesquisador nos temas literatura brasileira, literatura infantil, literatura juvenil e leitura.

1 comentário sobre “Um estudo de A Chave do Tamanho”

  1. Pingback: Livros pretendidos para 2018 - Em Geral

Deixe uma resposta