Em Geral

Um blog sobre todas as coisas Em Geral

Archive for the 'Gastronomia' Category

Bolo de banana sem óleo e sem açúcar – Express!

Este bolo de bananas é delicioso, leve e totalmente integral! É um bolo adaptado para o programa Express dos Vigilantes do Peso e, portanto, não leva óleo e açúcares. Os intolerantes a lactose também podem se deliciar. 🙂

Você vai precisar (para a massa básica) de:

  • 4 bananas bem maduras
  • 2 ovos
  • 1 xícara de aveia
  • 1 CS de canela
  • 1CS de fermento

Para adicionar na massa básica:

  • 2 bananas picadas
  • 1 maça grande picada (com casca)

Bata todos os ingredientes da massa básica no liquidificador. Depois junte à mão as 2 bananas e a maça picadas (junte as frutas de sua preferência!). Salpique canela e asse em forno pré-aquecido por 20 minutos. Como usei uma forma de silicone nem precisei untar.

Saindo do Express, adicione frutas secas e castanhas de sua preferência.

Este bolo é ótimo (principalmente se incrementado com frutas secas e castanhas) para o lanche das crianças. 🙂

Faça, você não vai se arrepender.

 

No comments

Bolo de batata doce com cacau

A batata doce pode substituir a farinha branca, sabia? E o bolo fica muito bom.

Postarei duas versões. Uma sem e a outra com bananas (de preferência caturras e bem maduras).

Vamos às receitas:

Bolo de batata doce com cacau sem banana (individual)

  • 1 ovo
  • 1/2 batata doce
  • 1 colher de sopa de cacau sem açúcar
  • adoçante a gosto
  • 1 colher de café de fermento
  • 1 pitada de sal

Amasse tudo com o garfo e asse em uma forminha individual (untada). Para quem faz vigilantes do peso a receita tem 5 pontos. Se você estiver fazendo o express, conte apenas o cacau, que, a propósito, foi polvilhado sobre o bolo pronto.

Bolo de batata doce com cacau e banana (tamanho família)

  • 3 ovos
  • 250 gramas de batata doce
  • 2 colheres de sopa de cacau sem açúcar
  • adoçante a gosto
  • 1 banana para bater na massa e 1 banana picadinha para misturar na massa
  • 1 colher de sopa de fermento
  • 1 pitada de sal

Processe (ou amasse com o garfo) os ovos, a batata doce, o cacau, o adoçante e 1 banana. Depois junte à mão 1 banana picadinha, o fermento  e asse em forno pré-aquecido por 25 minutos em média, em forma untada. Para quem faz vigilantes do peso a receita toda tem 15 pontos (8 pedaços de 2 pontos). Se você estiver fazendo o express, mais uma vez conte apenas o cacau.

Nota importante

As receitas foram indicadas para pessoas que desejam um bolo mais leve, com menos calorias. Se não for o caso (ou se crianças forem comer o bolo), não use adoçante e sim açúcar mascavo ou demerara (mais saudáveis).  A quantidade de açúcar pode ser a gosto: eu indico 2/3 de xícara mais ou menos (para o familiar). Coloque e experimente a massa. A mesma coisa vale para a manteiga. Em uma versão menos light do bolo grande você pode adicionar 1 colher de sopa de manteiga!

Bom apetite!

1 comment

Farofa de legumes

Mais farofa de legumes. Aqui eu usei beringela, abobrinha, tomates, uva passa, castanhas.. só refogar tudo em azeite, algo e cebola e depois adicionar farinha.

Se você chegou aqui e tem dúvidas de como fazer, clique em:

Receita de farofa de beringela

Receita de farofa de legumes

Aproveite; é uma delícia!

No comments

Cuscuz de abobrinha, nozes e passas

img_5051-2 img_4890 img_4375

Se tem um prato rápido de fazer, gostoso e super prático é o cuscuz temperado. Os ingredientes podem ser armazenados com facilidade e na hora do aperto você tem à mão tudo o que precisa para uma receita que surpreende a todos.

No caso, eu conservo o cuscuz seco no congelador. Desta forma você mantém o produto por mais tempo. O resto dos ingredientes também são de armazenamento prolongado, ou seja: nozes e uvas passas. Azeite, cebola e  alho nós costumamos sempre ter em casa. Aqui, no caso, eu também usei dois outros produtos, o bacon e a abobrinha. Mas se eles forem retirados não há nenhum problema; fica gostoso do mesmo jeito. Você também pode adicionar diversas outras frutas secas, tipo damasco, ameixa.. ou trocar a abobrinha por beringela, refogando-a bem no alho antes de juntar o cuscuz hidratado.

Mas vamos lá. Para esta minha receita você vai precisar de:

  • 300 gramas cuscuz seco
  • 1 + 1/2 caldo de galinha
  • 700 ml de água fervente
  • azeite para refogar (usei bastante :0)
  • 4 dentes alho
  • cebola (usei uma e meia)
  • 50 gramas de bacon picado
  • 150 gramas de nozes picadas (castanha do pará fica ótima)
  • 1 abobrinha média picada
  • 200 gramas de uvas passas (qualquer uma ou misturada)

Então, faça assim:

Hidrate por uns 10 minutos o cuscuz seco na água fervente, onde você já terá derretido o caldo de galinha (se você usar um caldo natural ficará bem melhor, aposte). Numa panela a parte refogue no azeite o bacon, o alho, a cebola até tudo ficar bem douradinho. Junte as passas, o bacon, as nozes e a abobrinha. Refogue mais um pouco. Junte, por fim, o cuscuz hidratado, mexa bem e acerte o sal. Se desejar tempere com mais algum temperinho de sua preferência. Eu coloquei um pouco de pimenta do reino ralada na hora.

Deliciosa, esta receita é muito rápida. Sirva com carnes ou coma pura mesmo. Vale a pena.

Ah, serve umas 6 pessoas. Embora eu queira comer tudo sozinha. 🙂

 

 

No comments

Bife de carne moída 0% gordura extra

Comprei este moldador de hambúrgueres e gostei bastante. É ótimo para fazer o chamado Bife de Einstein, conhece? É um bife de carne moída pura, que não leva gordura extra na chapa nem temperos diretamente na carne. Fica macio e super saboroso.

Você precisa apenas de:

  • carne moída de primeira qualidade
  • sal (e pimenta do reino moída na hora, se gostar)
  • frigideira realmente antiaderente 🙂

Faça assim:

Molde a carne moída pura em formato de hambúrguer. Aqueça bem a frigideira antiaderente e nela salpique sal refinado. Quando a frigideira estiver bem quente, coloque o bife e deixe que sele de ambos os lados (se quiser, moa nesta hora um tico de pimenta na carne). Deixe grelhar até que o meio da carne cozinhe e.. pronto. Vai ser um dos melhores hambúrgueres que você já comeu.

Detalhe 1: você pode fazer o mesmo com bifes de carnes macias: não precisa ser necessariamente moída. Filé mignon, contrafilé,  alcatra, além de uma bela picanha ou maminha ficam fenomenais com o mesmo processo.

E a dica é não deixar a carne muito tempo no fogo. Selou de um lado, selou de outro, mais uns poucos minutos e pronto. O ideal do boi é mais mal passado mesmo. Se não gosta, tente um molho escuro na carne ainda vermelha. Fenomenal.

Detalhe 2: se você não suporta a carne mal passada, molde o hambúrguer de carne moída mais fino e/ou faça bifes mais finos, mas, por favor, nada de comer carne tostada, tipo sola de sapato. Isso não! 😀

No comments

Bolo de feijão, café e chocolate

bolo-cafe-e-choco

Este foi o segundo bolo de feijão que testei. Ainda tenho uma terceira receita (mais fácil de fazer, só de liquidificador praticamente).

É gostoso, meus filhos adoraram. Porém é um bolo bem forte. Não rola comer muito, o que é grande vantagem.

A outra vantagem é que a receita já vem pontuada, facilitando a vida dos VPs. 🙂

 

No comments

Frango indiano com espinafre

frango indiano

indiano-inicio

 

indiano-espinafre-batido

indiano-espinafre-picado

Aqui em casa nós amamos a comida indiana. Pelo menos a indiana que é feita aqui no ocidente, claro, que já deve ser bem adaptada ao nosso paladar. Ela é cheirosa, diferente. Aqui em Belo Horizonte nós temos poucos restaurantes indianos, mas todos que já visitamos nos apresentou uma comida deliciosa. Aqui nós temos o restaurante Maharaj, que fica no Funcionários, O Namastê, que fica no Prado e o Buffet Bhagwan, no Bairro Sagrada Família. Este último é o mais simples e hoje em dia oferece até comida a quilo no horário do almoço. O quilo tem bom preço, porém poucas opções. Mas acho que ainda vale pelo delicioso pão shapati. Enfim, sempre que dá nós gostamos de variar o paladar indo a um restaurante indiano, embora o preço não tenha sido nem um pouco convidativo.

Então outro dia resolvi arriscar e busquei uma receita na internet. Fiz uma variação, trocando o vinho branco pela cachaça e não usei o tempero nominado caril, que não tinha em casa. Ficou tão bom, mas tão bom, que já repeti a receita, batendo no liquidificador o espinafre e também já repeti sem o leite de côco. Já fiz na casa da minha mãe também e foi aprovado por quase 100% dos comensais. Minha mãe não gostou, vale dizer. Mas ela só come frango, arroz, feijão e salada. 🙂

Bom, vou te ensinar, então, a fazer o frango indiano com espinafre. Pelas fotos você pode ver que em uma das receitas eu piquei o espinafre e que, na outra, liquidifiquei (poderia ter ficado mais encorpado o creme de espinafre). A diferença foi apenas esta. No mais, mãos a obra, faça também! Ah, eu também fiz o dobro da receita que vou te passar.

Você vai precisar de:

  • 2 peitos de frango
  • 1 lata de leite de côco
  • cominho em pó
  • canela
  • gengibre fresco ralado (pode ser em pó)
  • açafrão
  • 1 cebola grande
  • 2 dentes de alho
  • 1 molho de espinafre
  • leite e maisena
  • azeite
  • coentro (fresco de preferência; mas pode ser em pó)
  • sal
  • 1/2 copo de pinga

Faça da seguinte forma:

Tempere os peitos de frango cortados em cubinhos com 1 colher de chá de cominho, 1 colher de chá de canela, 1 colher de chá de gengibre ralado. Deixe pegar os temperos por no mínimo 30 minutos. Refogue a cebola e os dentes de alho em azeite, junte o frango, a cachaça e deixe cozinhar. Agora você junta o espinafre (cru picadinho ou cozido em pouca água e batido no liquidificador) e cozinhe mais um pouco. Junte o leite de côco e deixe em fogo brando por cerca de 5 minutos. Dissolva de 1 a 2 colheres de maisena num pouco de leite desnatado e junte na panela para engrossar o molho. Coloque o açafrão, um pouco de pimenta (se gostar) e o coentro. Acerte o sal.

Olha, fica muito bom. O ideal é comer com o pão indiano, o chapati (que eu quero aprender a fazer). Mas aqui, na falta dele, comemos com o velho e  bom arroz e ficou perfeito.

Voilá e bom apetite.

 

No comments

Bolo de nozes recheado

bolo-de-nozes-recheado

Ninguém é de ferro, né? De vez em quando a gente merece se esbaldar num bolo recheado, cheio de cremes, chocolates e afins. E assim o fiz neste fim de semana. Na verdade estávamos comemorando o aniversário de um irmão e, então, resolvi contribuir com esta belezinha.

Demorei mais ou menos 3 horas para fazer, dentre bater, assar e desenformar o bolo. Cortar, rechear e cobrir com o brigadeiro. Vale dizer que o próximo cobrirei com ganache para ficar menos doce.

Vamos ao facílimo bolo de nozes então!

Você vai precisar de:

  • 4 ovos
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 xícara de biscoito Maria triturado
  • 1 xícara de nozes trituradas
  • 1 colher de sobremesa de de fermento em pó e uma pitada de sal

Como fazer

Para fazer o bolo basta bater tudo no liquidificador e colocar no forno para assar em forma untada. No caso do meu, usei uma forma de fundo removível e cobri a parte de fora com papel alumínio para caso vazasse massa da forma. O que não aconteceu, ainda bem!

Depois de assado, deixe esfriar para desenformar. Cuidadosamente, então,  divida o bolo em dois e recheie com o recheio de sua preferência. Usei, neste dia, Danete pronto. Mas pode ser doce de leite, ganache, o que desejar. Cubra o recheio com a outra parte do bolo e coloque a cobertura.

Minha cobertura foi brigadeiro com nozes. Fiz assim: antes de levar o leite condensado à panela eu o liquidifiquei com o resto das nozes que tinha em casa. Depois fiz o brigadeiro normalmente, usando cacau puro (e não achocolatado). Se você quer um bolo mais elegante não use o Danette, ok? Eu usei porque tinha pouco tempo! Ficou sim muito bom, porém poderia ficar menos doce e mais suave.

O bolo foi super apreciado. Foi quase todo embora na hora do almoço mesmo!

No comments

Bolo de banana, maçã e castanha do pará

bolo

Este bolo de bananas, maçãs e castanha do pará é muito bom.

Você vai precisar de:

  • 5 bananas caturras bem maduras;
  • 5 maçãs;
  • 1 iogurte natural desnatado;
  • 4CS de açúcar mascavo;
  • Canela, noz moscada;
  • 80 gramas de uvas passas;
  • 10CS de aveia (fina ou grossa);
  • 60 gramas de castanhas do pará picadinhas;
  • 1/2 CS de fermento;
  • 1/2 CS de manteiga para untar a forma

Faça da seguinte forma:

Bata no liquidificador 2 bananas caturras com o iogurte. Junte o açúcar, uma pitada generosa de canela, uma pitada de noz moscada, uma pitada de sal e bata novamente. Numa vasilha em separado misture as 3 bananas restantes picadas com as maças picadas, junte a aveia, as passas e as castanhas. Jogue por cima o conteúdo do liquidificador e misture novamente. Unte uma forma pequena com manteiga e asse a massa em forno pré-aquecido.

Pra quem faz Vigilantes do Peso, divida o bolo em 12 pedaços. Serão 3 pontos por pedaço, muito bem gastos!

 

No comments

Doce de ovos tradicional

Na minha infância era muito comum ter doces em casa. Na verdade sempre tinha; sempre. Era doce de leite, de frutas, cocada.. quando não tinha um doce específico tinha rapadura picada. Lembro-me muito bem do meu pai sentado vendo o jornal da noite roendo uma bitola de rapadura; ele era muito doceiro. E tinha também o doce de ovos.  Quando papai fazia era o sucesso do fim de semana. O doce de ovos dele ficava como carne moída. Era marrom, não tinha gosto nenhum de ovo. Era muito bom, era delicioso.

O problema é que papai já é falecido e não deixou escrita a receita do seu doce. Procurei na internet e todos os doces que vi não me pareceram com o dele. E então teve o dia que a saudade bateu e eu resolvi tentar fazer o meu próprio doce de ovos. 🙂

Como a receita do papai não rolou, peguei a da minha vó, mãe de mamãe, e resolvi testar. Quem experimentou disse que ficou idêntica a original. Mas eu achei – pelo meu costume atual de comer menos açúcar –  excessivamente doce.

De qualquer forma, eis a receita. O doce é tradicional e, para muitos, cheira e tem gosto de infância.

Ingredientes:

  • 1/2 litro de leite cru
  • 1/1 quilo do açúcar
  • 4 ovos

Como fazer: 

Bata as claras em neve, acrescente as gemas e depois o leite. Despeje então na calda, que deve estar em ponto de fio (coloque cravos na calda). Pingue 1 gota de vinagre. Não mexa.

Detalhes importantes: retire a película das gemas antes de acrescentá-las às claras em neve; depois de acrescentadas as gemas bata muito bem para retirar o gosto forte característico. E depois que a massa for levada ao cozimento, na calda, e depois de adicionado o pingo de vinagre, não se deve ficar mexendo a panela. Quando notar que houve o cozimento desligue o fogo e deixe esfriar.

No comments

Frango na air fryer

IMG_20160319_230912

Olha, uma das coisas bacanas que podem ser feitas na air fryer é o peito de frango picadinho, temperado. A dica é picar o frango, temperar a seu gosto, e depois passar todos os pedaços na farinha de trigo. A farinha de trigo impede que a água da carne saia e a deixa bem mais suculenta. Se você estiver na vibe do super light você não precisa colocar nenhum óleo. Fica bom! Mas borrifando óleo nos pedaços você terá um frango suculento e douradinho. É difícil, enfim, ter uma carne dourada sem nem uma gota de óleo.

A facilidade desta carne é o que surpreende.

 

3 comments

Costela de porco no bafo

marinada

costela no bafo (2)

costela no bafo (1)

macarrão primo pastifício

Há muitos anos fizemos uma deliciosa costela de boi no bafo. O tempo passou, usamos a churrasqueira para assados tradicionais e só quase 7 anos depois é que voltamos a fazer um assado no bafo. Só que hoje, no lugar do boi, usamos uma costela de porco. Super carnuda, muito boa.

Primeiro eu marinei de um dia para o outro 1 quilo de costela de porco. Usei óleo, shoyu, molho de pimenta, alho, cominho, louro e ainda pinguei umas gotinhas de óleo de gergelim. O tempero cobriu metade da carne, que foi virada no meio do tempo da marinada. Depois a costela ficou a cargo d´Ele, que a enrolou em bastante papel alumínio, “recheando” os pedaços de costela com cebola e um pouco de manteiga. A manteiga foi colocada porque a carne estava com pouca gordura e ficamos com medo que ficasse seca.

Dica: ao fazer a carne no bafo enrole-a em muito papel alumínio, de modo que o suco que desprende da peça não evapore. O x da questão é fazer uma espécie de panela de pressão dos tempos das cavernas, saca? Ah, o tempo de cozimento foi de mais ou menos 2 horas e meia.

O resultado foi muito bom, embora eu ache que o tempero podia ter sido um pouco mais carregado no sal. Também achei que uma carne mais gorda seria mais apropriada. No caso, costela de porco mesmo, porém com mais gordura. Ou então uma fraldinha, uma capa de filé…

Também fiz peito de frango passado na farinha de trigo na air fryer para caso a costela desse zica. E a massa ficou por conta de um macarrão da Primo Pastifício,  que comemos com um molho de tomates caseiro (que ficou delicioso, por sinal).

Claro que não poderia faltar uma salada: alface, rúcula, tomatinhos sweet grape, mussarela de búfala e beringela (também da Primo Pastifício).

Ps. quando a costela ficou pronta foi um salve-se quem puder. Garfo pra cá, garfo pra lá..  quando me lembrei da foto já era tarde demais. 😉

Ps2. Este não é um post patrocinado pela Primo Pastifício. Nós comemos uma vez no estabelecimento e gostamos. Ontem resolvemos experimentar a massa seca, que foi aprovada, apesar de acharmos o preço meio salgado. O pacote da foto (macarrão para 3 pessoas) sai por R$14,90. Eu acho um pouco caro comparado às massas comuns. A propósito, usei dois pacotes e deu bem para 4 adultos e 2 crianças.

 

No comments

Ovo monstro!

monstro

No comments

Sorvetes de banana sem açúcar

Sorvete café Sorvete choco

Eu sempre tento fazer sobremesas saudáveis para as crianças. E depois que descobri os sorvetes de banana fiquei impossível. Normalmente eu processo banana e morango congelado e fica uma delícia. No caso do morango, se ele está congelado você pode usar a banana in natura mesmo. Fica delicioso. Não precisa de açúcar. Se desejar uma textura bem delicada, pode juntar um pouco de creme de leite. E, claro, se for para adultos sedentos por doce, você pode juntar um pouco de adoçante também, mas não aconselho. O ideal é se acostumar com o sabor doce da própria fruta.

Depois de fazer bastante morango + banana, comecei a diversificar. Fiz banana com cacau e ficou delicioso. Meus meninos piraram na batatinha. Amaram simplesmente. E não houve nenhum acréscimo de açúcar. No caso do cacau, piquei a banana e congelei. As quantidades nem posso passar, pois tudo que fiz foi no olhômetro. Não tem erro.

Depois tentei algo mais inusitado. Processei banana, café solúvel e canela. Gostei. Mas neste caso o gosto da banana fica mais evidente. Quando se usa cacau ele disfarça um pouco o sabor da fruta. No caso do café não e não acho que ele combine 100% com o gosto da banana. Mas valeu. Quem quiser pode processar somente a banana com canela, um pouco de cardamomo… Farei qualquer dia destes e depois conto para vocês.

O importante, pessoal, é a ideia. A banana tem uma massa maravilhosa para confeccionar este tipo de sorvete. Se você usa a caturra terá um resultado mais doce que a prata, mas esta, por sua vez, tem menos água, o que também proporciona uma textura mais firme no sorvete. Tudo sem a malfalada gordura hidrogenada!

No comments

Beringela do SanRo

IMG_20150303_091822IMG_20150303_091500

Este nome é só uma falcatrua minha para eu saber exatamente qual receita de beringela mais chegou perto da maravilhosa beringela do SanRo, restaurante taiwanês que temos aqui em BH.

A receita eu peguei no Cantinho Vegetariano e fiquei imediatamente fã após a primeira tentativa. Ele e meus meninos também amaram, o que me dá um gosto danado de fazer. 🙂

Vamos lá: ingredientes
1 beringela lavada e cortada
1 cebola média cortada em fatias
1 pimentão vermelho cortado em tiras grossas

2 dentes de alho picados
1 tomate bem maduro picado
Sal e pimenta-do-reino a gosto
2 colheres (sopa) de shoyu
3 colheres (sopa) de óleo vegetal

Como fazer
Lave bem e corte a berinjela em fatias grossas no sentido do comprimento. Salpique com sal e disponha as fatias em uma peneira apoiada sobre uma bacia para escorrer o liquido. Deixe-as descansarem até que comece a escorrer um liquido escuro. Depois coloque as fatias de berinjela em uma travessa, seque ligeiramente com papel toalha e corte-as no sentido longitudinal. Reserve.

Prepare o restante dos ingredientes. Corte a cebola em fatias de tamanho médio. Corte o pimentão em fatias grossas. Pique o alho e corte os tomates em pequenos cubinhos. Reserve. Em uma frigideira grande bem aberta coloque o óleo para aquecer. Doure primeiramente o alho, cuidando para não queimar. Acrescente o tomate picado, tempere com sal e deixe apurar até que o tomate se desmanche. Acrescente as fatias de beringela e deixe incorporar ao tomate. Abaixe o fogo e deixe cozinhar.
Em uma outra frigideira menor, aqueça um pouco de óleo e doure as cebolas com uma pitadinha de sal. Coloque uma colher (sopa) de shoyu e quando as cebolas estiverem bem douradas acrescente as fatias de pimentão. Misture a cebola e pimentão refogados à beringela e acrescente a outra colher de shoyu. Acrescente a pimenta-do-reino moída na hora e verifique o sal. Deixe em fogo baixo por mais alguns minutos até que a mistura esteja bem agregada.
A propósito, beringela pode ser escrita com G ou com J. Por costume escrevo com G. 🙂
1 comment

« Página anteriorPróxima página »