São gêmeos; e agora?

Tem sido muito curiosas minhas sensações como gestante de gêmeos. Inicialmente senti um baque, porque por toda a vida imaginei gerar  uma vida, um bebê. Imaginei segurar – pelo menos por vez, claro, um recém nascido nos braços, amamentá-lo, levá-lo ao banho, a passear.. Pensei preparar-lhe o enxoval, o quartinho…

Com Ele também não foi diferente, acho. Quando nos disseram no ultrassom:

– “É.. há dois saquinhos gestacionais aqui.. vamos ver se há bebezinhos em ambos.. sim, são dois bebês…”

Nós nos entreolhamos e um sorriso aberto saltou de nossos lábios. Nossa primeira reação  foi de euforia, vontade de sair telefonando para todos da famí­lia. Saí­mos da sala do exame calados, mas nossos olhos diziam tudo. Felicidade total. A ficha ainda não tinha caí­do, óbvio. Nos olhávamos e rí­amos.

Passamos uns 3 meses achando a coisa mais engraçada nos referirmos í  minha barriga  no plural. E tudo o que falávamos no plural era seguido de um riso gostoso, mas de perplexidade  também, de espanto. Neste mesmo perí­odo, confesso, tive  momentos de alguma aflição, afinal de contas como eu faria para dar a atenção que cada um dos dois precisa e merece? Passei algumas noites sem dormir direito  pensando nos dois precisando de mim no mesmí­ssimo momento. Como mostrar a ambos que eu estaria ali, por eles e para eles?

Mas o mais bacana é que, como mágica, a ideia dos dois bebês vai se tornando a coisa mais natural do mundo. Não concebo mais um sem o outro. Sinto a barriga mexer e me pergunto quem dos dois está acordado brincando.. passo a mão em um lado da barriga e, automaticamente, também do outro. Afinal, desde agora cuido dos dois, cuidarei dos dois e sei que nenhuma atenção faltará a nenhum deles. É claro que precisarei de me desdobrar. Literalmente. Mas a sensação hoje não é mais de medo ou insegurança. É de confiança, de tranqí¼ilidade, de boas expectativas.  Até porque eles terão não só meus braços amorosos por eles, mas também os do paizão, que não se aguenta de ansiedade de conhecer seus rostinhos.

A gestação é um momento muito bacana. Preparamo-nos, de todas as formas e conforme as necessidades. E assim as coisas vão se ajeitando e ficando bem.

3 comentários em “São gêmeos; e agora?”

  1. Ela,espatódea foi uma música deliciosa que o Nando reis vez para a vinda da filhinha dele,Zoe.Ela fala com tanto carinho que todas as crianças deveriam escutá-la.
    Vcs verão que o mundo será diferente qdo os bebes chegarem.Eles,com toda a sabedoria, irão ensirnar-lhes um milhão de coisas novas…Tudo de bão.
    Bjs e bom final de semana.

  2. Li seu post com tanto carinho que brotou água nos olhos…srsrsrsr.
    Imagino que tiveram uma espécie de choque, pois a expectativa é de gerar apenas um filhote, né?
    Não!!!!!Não é por mal, pois no meu caso nunca pensei em ter gêmeos.Tenho tres filhotes gerados separadamente…rsrsrsrsrsr
    Adaptar a idéia de desdobramento deve ser mágica.
    Ah, a ansiedade de conhecer os rostinhos tem um nome:AMOR MAIOR.
    Vejo que estão curtindo cada momento da gravidez e isso é muito importante, preparem os braços e abraços.
    Ai Ela,Tanta coisa pra falar…Resumindo:
    FELICIDADES (de todo o meu coração).

Deixe um comentário