Tapioca mineira

Tapioca mineira

Sim, claro, este post não é sério. Nem esta é uma receita séria. Portanto, não tente fazê-la, a menos que seja como nós, glutões assumidos.

Porquê, desde que fomos a Recife e experimentamos uma tapioca divina,  fiquei me perguntando se não seria simples fazer o quitute. Então, busquei a receita em alguns sites. Todos ensinavam – a grosso modo – que era só umedecer um pouco o polvilho e salpicá-lo na frigideira quente.

Pois lá fomos nós: a primeira tentativa foi risível. Coloquei o polvilho muito  seco na frigideira e a coisa saiu mais ridícula do que imaginas, levando-me a despejar todo o “pó” na pia. Foi quando perdi um pouco a paciência com a brincadeira e o polvilho quase virou uma massa de bolo.

Mesmo assim, fiz as panquecas azedas e borrachudas tapiocas e as recheamos com presunto e queijo.

Como eu e Ele somos “boa boca”, não deixamos por menos, mas  prometo que ainda vou conseguir uma boa tapioca e quando este dia chegar compartilharei com os leitores do Emgeral, passo a passo.

😉

3 comentários sobre “Tapioca mineira”

  1. Pingback: Em Geral » O Rei da Tapioca

  2. Pois é, Ana, o polvilho tem que estar seco, né? Ou melhor, apenas um pouco úmido… vixe, que confusão…. 🙂

  3. Vi uma bahiana fazendo essa tapioca uma vez. Lembro que ela peneira a farinha sobre a frigideira aquecida.

Deixe uma resposta