Em Geral

Um blog sobre todas as coisas Em Geral

Archive for the 'Viagens' Category

Passeio a Furnas

Há exatos 7 dias estávamos na estrada, a caminho de Capitólio, onde ficam a Lagoa de Furnas e a hidrelétrica de mesmo nome, idealizadas na década de 50, a partir de estudos da CEMIG, que atestaram o potencial hidrelétrico do Rio Grande. A construção da usina foi bastante tumultuada: encontrou opositores que discordavam do impacto ambiental e da desapropriação de grande parte da população da região (mais de 35 mil pessoas foram retiradas de suas casas, muitas pelas Forças Armadas).

Não obstante os opositores, dentre eles o governador de Minas Gerais, Bias Fortes, a obra (primeira grande obra da Mendes Júnior (nada é por acaso nesta vida, não é mesmo?))  tinha força total do governo federal de JK e foi finalmente inaugurada no governo de Castelo Branco. Enfim, a região foi totalmente modificada pela transposição das águas do Rio Grande, que formaram um reservatório que é, propriamente, o lago de Furnas. Hoje 34 municípios são banhados pelo lago e muitos deles se valem do turismo para superar as perdas com áreas férteis então desapropriadas.

Pois bem.

Saímos de BH às 6 da manhã e chegamos em Furnas às 11. A viagem demorou mais de 4 horas; fizemos uma parada para um café e depois gastamos mais uma meia hora até o centro de Itaúna para pegar dinheiro para os benditos pedágios. Só sei que nossos meninos, ao chegarem ao local, colocaram seus maiôs e calções e.. piscina praticamente o dia todo. Mal faziam uma pausa para um churrasquinho e já voltavam para a água. Já à tardinha foram com a prima e o tio nadar na represa. Nadaram, andaram de caiaque, se divertiram como nunca. Pensei que às 19/20 horas estariam podres de cansaço, pedindo penico.  😉

Minha menina até aventou ir dormir cedo, mas a presença de outras crianças a atiçou. Quando vi já estavam todos brincando novamente, agora de pique esconde, o que durou até 23:00hs! Mas foi tanta brincadeira, tanta alegria, que delícia vê-los assim. A noite foi muito tranquila. Todos, o papai principalmente, dormiram pesado. O cansaço estava forte, mas não nos impediu de acordar cedo no domingo…

No domingo pela manhã fomos fazer o passeio de lancha pelos canions do lago. Fui com os meninos e Ele ficou descansando. Mas que lugar maravilhoso! As fotos não captam, de jeito nenhum, a beleza e a grandeza do lugar. Aconselho fortemente que você procure vídeos da região no Youtube. As imagens captadas do alto mostram melhor que espetáculo a região ficou. Enquanto navegávamos por ali, pensei no quanto de coisa fora coberta pela água. Casas, lojas, coisas, cemitério, áreas e mais áreas férteis, flora, fauna, sonhos… Felizmente, a vida se renova.

Voltamos pro sítio, os meninos voltaram pra piscina e depois almoçamos.  Já já chegaria a hora de dar adeus. O passeio foi curto, mas os dois pequenos se ligaram muito aos amigos que fizeram e ao lugar delicioso. Choraram, brigaram, se recusaram a voltar. Fiquei com pena; se pudesse ficaria com eles por mais uns dias lá. Lembrei-me das épocas em que passava férias e feriados na fazenda. A hora de ir era hora de dor, literalmente. A gente muda, né, e a casa da gente acaba virando o lugar perfeito para voltar. Mas eu também já fui assim, de não querer voltar. De doer o coração quando tinha que partir. Os dois relutaram, relutaram e por fim entenderam. Conversamos, cantamos, dormiram… um retorno sem pausas, sem paradas e, ainda assim, foram 4 horas de Furnas até Belo Horizonte. Ouvimos um podcast inteiro sobre a maldita reforma previdenciária do ForaTemer!!

Chegando a BH lanchamos na Vila Árabe e depois fomos descansar.  Um fim de semana bem intenso, principalmente para o já cansado papai, mas que valeu e que vai ficar na memória.

No comments

Águas do Treme – passeio delicioso

IMG_20141205_193245 IMG_20141206_072531 IMG_20141206_085307 IMG_20141206_094901 IMG_20141206_094914 IMG_20141206_095020 IMG_20141206_100354 IMG_20141207_102406

 

IMG_20141208_111033

Nos finalmentes de 2014 fomos a um dos lugares mais lindos e gostosos daqui de Minas. O hotel fazenda Águas do Treme. Chegamos na sexta à noite e fomos embora na segunda-feira à tarde, feriado em BH. O local é um resort rural, lindo, com boa comida, super confortável.. Nós quatro amamos.

Achei muito engraçadinho que os dois,  com 3 aninhos apenas, já conseguiram perceber a beleza e o ‘chiquetê’ do lugar. Os comentários de ambos demonstravam que se apaixonaram pelo conforto dos quartos, pela sofisticação do restaurante, por tudo o que de bacana que o local oferece.

Ficaram encantados com o banheiro da suíte (enorme e muito bem decorado) e muito mais ainda com as várias esculturas espalhadas pelos jardins. Dormimos os 4 numa mega cama e a farra foi muito, muito boa!

O passeio foi maravilhoso. As lembranças, deliciosas.

 

 

 

 

No comments

Feriado é tempo de quê?

Não podíamos deixar de postar  que estivemos no Festival Gastronômico de Brumadinho neste 07 de setembro. E foi uma delícia. Apesar de não termos ido a nenhum dos festins promovidos pelas pousadas e restaurantes gourmets da cidade, provamos quitutes bem gostosos nas barraquinhas da festa e aproveitamos bastante do clima de interior de Casa Branca, distrito onde ocorre o festival.

Deixando Casa Branca, ainda curtimos um passeio a Inhotim, também em Brumadinho, e depois fomos a Rio Acima, conhecer a famosa cachoeira situada no condomínio Canto das Águas. Ou seja, fizemos um tour bem bacana e tudo bem pertinho de BH. Valeu demais. Descansamos a cabeça e desfrutamos do que mais gostamos, que é ficar ao lado do outro.

😉

1 comment

Que o Chile logo se recupere

Ficamos muito, mas muito tristes com o terremoto que assolou o Chile na semana passada. Em 2008 estivemos lá e foi uma experiência fantástica. Visitamos Santiago e depois fomos ao deserto do Atacama, um dos lugares mais maravilhosos do mundo na minha opinião.  Quando retornamos a BH  relatamos passo a passo nossa viagem. Postamos muitas fotos do desertodas lagunas, do salar, dos geiseres…  Falamos da comida chilena e dos chilenos, claro. E hoje, vasculhando os arquivos passados, dei com este post.  Achei interessante revivê-lo para mostrar como este terrível evento natural é encarado pelos chilenos.

Enfim, agora é torcer para que cada indivíduo afetado pelo terremoto possa se reerguer e que o Estado possa recuperar suas forças e finanças para voltar a ser como antes. É o que gente deseja a este país que tão bem nos recebeu e que ainda nos terá por suas terras – espero que em um tempo não muito distante.

O texto e as fotos  abaixo foram postados em 17 de abril de 2008.

Um dos guias que tivemos no Atacama foi o Patrício, que aparece neste vídeo de 2007 durante o terremoto que atingiu o norte do Chile. Ele nos deu algumas informações sobre os tremores de terra que assolam diariamente o país. De acordo com ele, o chileno está acostumado a este tipo de evento e nos falou a respeito de um ditado popular do país segundo o qual o chileno só morre de doença de chagas, tiro e mulher.

Ou seja, os tremores de terra e terremotos podem até assustar, mas não tiram o sono de nenhum chileno, o que é normal quando se é obrigado a conviver com este tipo de coisa, vide o cotidiano de milhares de pessoas no mundo inteiro que se vêem obrigadas a continuar na luta mesmo em época de guerras ou calamidades naturais de toda espécie, o que pode ser bem pior que um tremorzinho de terra.

Pra quem é turista, porém, o buraco é mais embaixo e não dá pra não ficar assustado quando, a todo tempo, se é lembrado de que a terra pode dar uma sacolejadinha. Em Vinã del Mar, em cada esquina, nos deparamos com placas alertando para rotas de fuga em caso de tsunamis. Já em Valparaíso, ao entrarmos no ascensor, tivemos a grata surpresa de ler o aviso abaixo.

De toda forma, mais importante é ter informação. Tremores de terra ocorrem sempre, quase que diariamente, segundo o Patrício. Eles são suaves e quase imperceptíveis. Já os terremotos ou sismos são mais fortes e ‘sabe-se deus’ quando e com qual intensidade podem ocorrer. Se você estiver em área descampada, como no Atacama, o risco de ser soterrado é pequeno. Mas, em Santiago, com tantos prédios à volta, não sei não.

O lance é torcer pra não ser na sua vez.

2 comments

Na rota entre os dois pontos

Falei do vaso de flores de saião e agora mostro onde o vimos, voltando de nossa viagem no 07 de setembro.  Lugar charmoso, onde comemos tilápia e  lasanha de beringela bem gostosas.

Ao fundo, o lago de Furnas.

Lugar aprazível

Vista Furnas

Pássaros Pretos

Comedouro pássaros

No comments

Artesanato no côco verde

Uma lembrança bem bacana que trouxemos da Bahia foi este côco verde trabalhado. Na verdade, foi comprado na primeira vez em que fomos na Praia do Forte – em uma daquelas feirinhas típicas – e, porque não dizer, foi amor a primeira vista.

O artesão retirou a casca do côco e trabalhou as fibras, esculpindo-as em forma de pássaros. O bico é de madeira e os olhinhos dos passarinhos são de sementes.  Fico boba com a criatividade e a habilidade de certas pessoas.

Pode ser usado como vasinho de planta ou bebedouro/comedouro para pássaros, mas eu ainda não sei o que fazer com o meu. Por enquanto está em baixo da jabuticabeira, cheio d’água, mas acho que não vou deixá-lo assim. Ou vou colocar um pouquinho de alpiste  ou uma das minhas suculentas preferidas.

É uma graça, não?

côco passaro

côco trabalhado

côco verde trabalhado

9 comments

Fim de semana agitado

Nosso último fim de semana foi bastante agitado. Fomos para uma simpática cidade no sudoeste de Minas Gerais, 400 km distante da capital. A viagem foi corrida, para uma festinha familiar. Chegamos lá no meio do dia de sábado, passamos a tarde batendo papo e, no domingo, churrascão no sítio.

Duro foi aguentar o sono na segunda-feira, afinal foram 800 km em dois dias. Eu e Ele ficamos um caco. Mas ficaram as boas lembranças: foto da igreja principal, do sítio e de paisagem da estrada. Êta Minas Gerais gostosa.

Fim de semana

Sítio

Parada

3 comments

Férias na Bahia – Instituto Baleia Jubarte

Além do Tamar, a Praia do Forte abriga uma das bases do Instituto Baleia Jubarte. Sem sombra de dúvidas, uma das coisas mais legais que conhecemos e tivemos o prazer de participar num passeio bem bacana.

O instituto tem uma sede linda, com esculturas de baleias jubarte espalhadas por um gramado que leva a um lago ao fundo. A estrutura é excelente e a loja de lembrancinhas, embora mais tímida que a do Tamar, é bem bacana (e com preços justos) também.

Fomos lá duas vezes: a primeira para conhecer e a segunda para iniciarmos nosso passeios em busca de baleias (whalewatching). Na segunda visita, assistimos um vídeo explicativo acompanhado de uma palestra bilingue conduzida por biólogos do projeto num belíssimo anfiteatro multimídia que fica na sede.

Depois desta introdução, pegamos um barco na praia e fomos para alto-mar. Num passeio que dura umas três horas vimos baleias num grupo que os guias identificaram ser competitivo (muitos machos disputando uma fêmea). Foi muito gostoso, embora o mar não estivesse dos mais calmos naquele dia específico. Uma experiência para guardar para sempre.

104 jubarte

106 jubarte

109 jubarte

156 jubarte

2 comments

Férias na Bahia – o Projeto Tamar

O Projeto Tamar é uma daquelas coisas que faz a gente se sentir bem ao visitar. Mais ainda por se tratar de uma ação feita em nosso país.

Com um histórico de quase trinta anos de ações de preservação da vida das tartarugas marinhas, o projeto tem uma de suas bases (a primeira) na Praia do Forte, local onde passamos os últimos dias de nossas férias na Bahia. Diariamente são realizados tours explicativos conduzidos por guias que são formados na própria comunidade. Além de preservar a vida dos animais, o projeto tem uma função social muito bacana pois emprega muita gente da vila. Gente que antes era criada para matar estes animais, agora trabalha no auxílio de sua preservação.

A estrutura faz inveja a locais semelhantes que já visitamos em outros países. Os tanques são bem legais e além de algumas tartarugas pudemos ver tubarões-lixa e outros animais que habitam o oceano. A visita guiada é, como disse, bem legal. O guia explica tudo sobre as diferentes espécies de tartarugas marinhas e faz questão de responder todas as dúvidas de crianças e adultos em dois idiomas.

Na saída passamos pela lojinha do projeto e ficamos maravilhados com a qualidade dos produtos e com os preços, que são bem mais em conta do que estávamos acostumados a ver em gift-shops de museus, por exemplo. Obviamente compramos alguns presentinhos.

88 projeto tamar

91 tamar

93 tamar

95 tamar

97 tamar

No comments

Férias na Bahia – Mata de São João

A Vila da Mata de São João é um lugar muito charmoso. Há cafés e bares bem montados, bem decorados. Tudo começou com uma vila de pescadores, mas hoje é fácil ver que vários restaurantes são de forasteiros.

Em uma de nossas refeições estava louca por uma salada. E não sem motivo, porque todo mundo sabe o quando é forte a comida baiana. Então, tratei logo de pedir uma salada de camarão com manga. Ele foi num prato um pouco mais carboidrático. Estávamos no Sabor da Vila, altamente recomendado. Comida muito bem feita, bem temperada, deliciosa. E de um ex-pescador, o que nos agradou ainda mais.

Comemos a tapioca desta barraquinha da foto. Gostosa, mas ficamos um pouco decepcionados, pois, sinceramente, as de Recife eram bem melhores.

E não podemos nos esquecer de indicarmos o restaurante Made in Bahia, também na rua principal da Vila, onde comemos um delicioso bobó. Saudade…

82 vila mata são joão

85 salada camarão

86 camarão delícia

175 tapioca

202 bobo made in bahia

No comments

Férias na Bahia – Praia do Forte

Chegamos a  Salvador em uma segunda-feira à tarde. Na terça conhecemos um pouco da cidade a pé. Foram muitas horas de caminhada, podes crer. Na quarta-feira alugamos um carro, rodamos Salvador, e na quinta nos pusemos rumo à Praia do Forte, que fica  a uns 60 km da capital, para visitar o Projeto Tamar.

Passamos, então, toda a quinta-feira na Praia do Forte, retornando à noite para nosso hotel. Confesso que ficamos com aquela dúvida se deveríamos ter reservado pousado nesta vila de pescadores e não em Salvador, mas tudo bem: na sexta conhecemos mais pontos turísticos da capital, voltamos ao Pelourinho, e foi tudo ótimo.

Só que o clima da Praia do Forte não nos saía da cabeça, de modo que, no sábado de manhã, já um pouco cansados do trânsito, devolvemos o carro e pegamos um ônibus pra lá. Fomos com reserva em uma das únicas pousadas que ainda possuía vagas para o fim de semana. A Praia do Forte, distrito da Mata de São João, fica bem cheia nos fins de semana e tem aquele clima turístico gostoso, de que ninguém ali, salvo os moradores, está trabalhando. A galera vai a praia pela manhã, dorme à tarde e frequenta restaurantes à noite. Muitos turistas estrangeiros são vistos, muitos deles até com bebês, confirmando o clima de paz do local.

O clima estava bom, não muito quente (pegamos até chuva por lá, mas daquelas pancadas passageiras) e nós pudemos descansar de acordo. Fiquei feliz por Ele não ter que dirigir, ou melhor, por não “ter que” fazer nada, a não ser dormir, passear, descansar..

Pois então, o fim de nossas férias foi num paraíso de calmaria, bem longe de trânsito, stress, shoppings e flanelinhas. Perfeito. 😉

69 praia forte

70 praia forte

72 mar praia forte

163 jubarte

165 jubarte

185 praia coqueiros

207 coqueiros

1 comment

Férias na Bahia – o Pelourinho

Sempre tive muita vontade de conhecer o Pelourinho e, podes crer, ele não nos decepcionou. O lugar é maior do que eu imaginava. Andando por suas ruas, parece estarmos bem longe daquela capital movimentada. O ritmo é diferente, mais lento mesmo, como se estivéssemos no interior.

Para quem estiver de carro em Salvador e for ao Pelourinho durante o dia, sugiro que deixe o carro no estacionamento que fica quase em frente ao Cineclube; o preço é justo e você ficará livre de flanelinhas te amolando. Se você for à noite, deixe o carro dentro do Pelourinho mesmo, é mais seguro. Ou vá de taxi, um pouco caro em Salvador.

Pois então, para chegar até o Pelourinho, saindo deste estacionamento, você passará pela praça do Elevador Lacerda. Inúmeros vendedores te abordarão presenteando com fitinhas do Senhor do Bonfim. Recuse educadamente. Se aceitar, terá um sujeito chato no seu pé até que você compre alguma bugiganga. Nós tínhamos lido isto no site O Viajante e acontece mesmo. Como estávamos previnidos, não houve aborrecimentos.

Fomos ao Pelourinho duas vezes e na primeira comemos uma deliciosa moqueca de camarão no restaurante Odoya, que fica no Terreiro de Jesus. Durante a outra visita estivemos na Fundação Casa de Jorge Amado e rodamos bastante as lojinhas de artesanato do lugar.

Vale aqui fazer uma ressalva sobre a passagem rápida de Raul Castro pelo Pelourinho enquanto estávamos lá. Foi curioso ver a movimentação da Polícia Federal, aquele estardalhaço todo, sendo que quase ninguém sabia quem era aquele senhor sorridente. Como não gosto de ditadores, a menção ao sr. Raul  foi feita tão somente para formalizar meu desprezo por todos eles.

Enfim, o Pelourinho é como se fosse uma Ouro Preto gigante dentro de uma capital gigante, o que é fantástico. Fica apenas nosso apelo para que o Governo da Bahia e a Prefeitura de Salvador lhe dê um pouco de atenção: ele merece.  Ele merece.

45 pelourinho

51 pelou

134 pelourinh

135 pelo

58 moqueca

57 moqueca

8 comments

Férias na Bahia – História

Este post é uma lembrança do nosso segundo dia na capital baiana, quando fomos no Museu que se encontra dentro do Forte de Santo Antônio da Barra, na praia da Barra.

A época da escravidão, como não poderia deixar de ser, é relembrada no museu. A primeira foto é de uma maquete de um navio demonstrando como os escravos eram trazidos ao país e as duas últimas são de anúncios reais de jornais da época.

Abominável.

33 blog escravos

35 escravos

36 escravos

1 comment

Férias na Bahia – Capital

Não é segredo que nossas férias estavam programadas para serem na Argentina, mas  imprevistos acontecem e a gente acabou por escolher um destino mais quentinho. E, no fim das contas, a temperatura até que estava tolerável. O calor não nos incomodou.

E foi bom demais, pois nenhum de nós dois conhecia a Bahia. Tivemos a oportunidade de ficar uns dias em Salvador e, depois, para relaxar da cidade grande, fomos para a Praia do Forte.

Então, estas fotos são de Salvador. A quarta é do Elevador Lacerda, que une a cidade baixa à cidade alta e a quinta é vista geral do mercado modelo, que fica pertinho da saída do elevador, na parte antigona da capital.

É apenas uma grande pena que Salvador esteja tão abandonada: a parte velha da cidade (ainda não estou falando do Pelourinho) está caindo aos pedaços. Dá um certo embaraço ver os turistas em meio a tanta sujeira, a tantos prédios literalmente caindo aos pedaços.

Mas, enfim, visitamos muito de Salvador, de carro e a pé. O trânsito é bem caótico – consegue ser pior que o de BH – e a pouca distribuição de renda salta aos olhos.

Nada disso, claro, tirou o brilho do nosso passeio. Conhecer lugares novos sempre é uma alegria e não há nada melhor do que ficar por conta do atôa.

0 blog

19 forte

23 blog

124 lacerda

131 mercado

2 comments

Gripe suína nas férias dos outros é refresco

Tem horas em que a gente se pergunta o que fez de errado pra ser tão fechado. Afinal de contas desde o ano passado imaginávamos passar as férias de julho na Argentina. Estivemos na Bolívia, no Chile e, desde então, estamos com muita vontade de percorrer toda a América Latina. Nestas férias  iríamos à Argentina e ao Uruguai.

Eu sei que ninguém tem culpa do vírus existir (pelo menos ainda não provaram), mas é o fim da picada querer ir pra determinado lugar e  chegar à conclusão de que você tem restrições – sérias restrições. Parece  ficção.

Sim, estou sendo mais do que egoísta ao reclamar da gripe. Principalmente em razão das mortes já registradas. Mas meu compromisso neste momento não é ser politicamente correta, mas desabafar a frustação de ter que modificar os planos  definidos há mais de um ano.

O pior é que a saída, por ora, é ir a lugares quentes, onde a chance de contrair qualquer vírus que seja se reduz um pouco. Só não sei  como ficará nossa promessa de não sair de Belo Horizonte em julho para pegar calor em outros lugares. Este clima fresquinho começa a ficar raro por aqui..

2 comments

Próxima página »