um blog sobre todas as coisas em geral

Categoria: Cenas Page 3 of 5

Cenas de dezembro de 2020

Como não estamos podendo sair livremente, nossas cenas se resumem a detalhes da casa, das nossas comidinhas.. mas podem ser uma boa lembrança para a gente daqui a uns anos. Vamos nos recordar, acho, não com tanto aborrecimento desse ano de 2020, pois penso que – apesar de tudo – estamos bem, com saúde, juntos…

Café com água tônica que fizemos e aprovamos. Vez ou outra fazemos para dar aquele grau durante o trabalho e ainda refrescar! 🙂
O cantinho do café na cozinha está se desenhando…
Batata baroa na air fryer fica boa. Só a batata crua, azeite, sal e pimenta do reino. Coloquei alumí­nio pra não grudar.
Além da baroa, arroz, feijão preto, almeirão com bastante alho e um cozido de patinho com legumes. O prato ficou colorido.
Relendo com os meninos, a pedido deles. 🙂
Essa é das antigas; encontrei aqui, nos meus guardados. Bonequinha dos idos anos 80.
Bonequinho de neve feito pela minha bonequinha de carne e osso, usando um saquinho de “neve falsa”..rs
Por que meu amor me mima com chocolate sim! 🙂
Conhecemos pessoas muito gentis no ano de 2020. E isso é um alento.
Olha que coisa fofa.
Sempre existirá gente legal no mundo, eu quero muito crer nisso, 🙂
Esse docinho aí­ imita Nutella, mas é um doce de leite com cacau e aroma de avelã. Gostoso. Comprei na promoção por 4 e pouco; valeu.
Fiemos biscoitinhos de natal.. mas comemos tudo antes 🙂
Entradinhas no dia 24.. pena que não tirei outras fotos.
Pudim da vovó para o dia 24.
Olha o tamanho dessa lagarta!
Flor de Lagoa Santa .. hehe
Fizemos um passeio até Lagoa Santa, namorando casas de campo..
Que lugar gostoso, queria ter uma casa ali perto. 🙂
Teve pai fazendo tabuleiro personalizado.
Teve chuva de granito no fim da tarde do dia 31.
Renovar as esperanças é preciso.
Com bolo tudo fica melhor!!

Ano atí­pico, nem preciso dizer, de alguns momentos péssimos e muitos momentos bacanas. Estamos sem covid (ou não sabemos que já tivemos) até agora, o que é muito bom.

Não dá pra negar que estamos muito cansados e estressados e isso tem cobrado um preço bem alto. Estamos todos muito nervosos. Eu, em especí­fico, passo mal com muito mais frequência, tenho enjôos e problemas de digestão.. dores de cabeça são habituais; tenho muito medo de pegar a doença, ficar mal e tals… tenho medo por mim, pelo marido, filhos, mãe idosa, irmãos..

Felizmente, sou rodeada de muitas pessoas queridas, mas a preocupação é enorme com todas elas. Então, o momento é de muito nervosismo. Temo não termos vacina a tempo de proteger os mais velhos da famí­lia; temo um 2021 todo agarrada em casa e saindo com receio, apenas para as coisas essenciais. Temo também a convivência com tanta gente burra que saiu dos esgotos nesse Brasilzão complicado.

Por outro lado, estamos em casa seguros, com saúde, sem passar as dificuldades financeiras que estão assolando milhões de famí­lias. Então, apesar de tudo, como reclamar? Tantas pessoas por aí­ estão com os mesmos medos e ainda perderam pessoas para a doença e/ou estão com dificuldades de colocar comida na mesa.

Sei que isso vai passar (e talvez já estejamos escolados nas próximas pandemias) e torço muito para que o Brasil nos surpreenda e que a vacinação comece antes do esperado. Se tem uma coisa que estou tentando manter em alta é a esperança. Não quero me enganar – procuro muitas notí­cias e informações sobre a situação – mas quero, sim, manter a esperança.

No dia 24 ficamos só nós, a vovó e meu irmão mais velho, o que foi muito bom. Porque matamos um pouquinho a saudade de recebê-los e o fizemos de forma segura. Nós estamos bem quietos em casa e eles também. De toda forma, ficamos a maior parte do tempo de máscara e quando fomos comer ficamos longe uns dos outros.

Finalizo, a propósito, a tag “quarentena” por aqui. Vamos ficar mais muito tempo em quarentena….

2021

Esse ano não consigo fazer um post especial de desejos para 2021 (farei apenas a lista de livros que quero ler); então, os desejos vão nesse aqui mesmo: um desejo mais real e palpável é o de que a vacina chegue logo; pelo menos para os nossos idosos.

E um desejo/sonho daqueles impossí­veis: que as pessoas melhorem, deixem mais pra lá o medo do que vai acontecer a elas depois da morte, que se fiem menos em religião, em dogmas etc e que se comportem de maneira decente. Que se importem em estudar, ler, em se informar. Que atendam í s informações produzidas pela ciência. Que tenham empatia e respeito pelo próximo. Que não sejam babacas.

E fora bozonaro lixo etc…rs

Feliz 2021 para quem está lendo isso aqui. Que os que perderam os seus encontrem paz depois do luto e se revoltem contra esse sistema injusto. Que nossas famí­lias possam respirar mais aliviadas e em paz depois desse inferno todo.

Cenas de novembro de 2020

Começamos o mês com o pé direito, com um bom almoço com comida japonesa.
Gelatina de jaboticaba, que depois bati com creme de leite e leite condensado. Olha essa cor!
Nossa mesa nova chegou e eu amei. Olha como ela ficou linda na foto de capa, apoiando a orquí­dea que uma amiga carinhosamente me deu. 🙂
Se a plantinha tá feliz eu tô feliz.
Essa ficou tristinha, mas vai melhorar.
Fritada de ora pro nobis; ficou boa demais. Queijo por baixo na frigideira, cebola e a folha misturada com ovos e temperos.
E teve gemada numa manhã de domingo menos quente!
E num dos sábados assei pães de queijo e fiz vitamina de jabuticaba (cozida) e banana. Os meninos amam!
Trocentas máscaras novas porque, afinal, são 4 usando, sem miséria.
Teve abelhinha tomando mel…
Tem suculenta que vai florir! Tem duas.
Teme ‘mexerola’ na cozinha…
E na área de serviço também.

Mês bom, de paz. Crianças fazendo esportes e, no mais, todos em casa. Quando dá, fazemos um passeio de carro, vamos até uma cidade aqui perto e depois eu compro um lanche em algum lugar. Muitas vezes comemos no carro e eles acham até divertido.

Meu maior medo é o Natal e as aglomerações. Temo o que está por vir. Mas até aqui tudo bem. Um sobrinho pegou o coronga, mas só febre e mal estar por 1-2 dias. Espero mesmo que fique nisso e ninguém mais tenha.

E vamos que vamos! Bora pra dezembro.

Cenas de outubro de 2020

Comemoramos a semana das crianças e dos professores, fomos ao clube enquanto estava vazio… seguimos resistindo a esse perí­odo estranho, mais de 6 meses afastados dos parentes e amigos.

A última foto é de um desenho do pequeno: papai segue firme na reciclagem das embalagens: 🙂

E vamos seguindo. Lembrando que a vida não voltou ao normal e parece que não volta tão cedo. 🙁

Cenas de setembro de 2020

Mês de torta gostosa, de reforma na cozinha e de trabalhinhos para a escola.

Ela aguardava o livro do Harry Potter que o irmão ainda lia e enquanto isso pegou o Roverandon, mas depois o pai baixou o que ela queria em PDF. 🙂

Como tivemos uma pequena reforma na cozinha, improvisamos por aproximadamente 15 dias as refeições na cobertura. Usamos airfrier, panela elétrica, microondas, fizemos saladinhas… e também pedimos várias comidinhas fora de casa. Deu tudo certo, sem grandes estresses.

Um mês seco, muito quente até o dia 21… depois chuvoso e fresco por poucos dias apenas, seguidos por dias infernais de quentes.

No último domingo fizemos um passeio bem gostoso, visitando uma famí­lia que está recolhida há um bom tempo (por causa pandemia). Foi o primeiro grande passeio em 6 meses!!

Um mês bom, na medida do possí­vel.

Cenas gostosas – agosto/20

Pão de queijo de batatas: batata cozida amassada, polvilho, muito queijo e 1 gota de corante amarelo. Ficou uma delí­cia.

A base da receita do pãozinho de batatas é o pão de batata-doce, com menos óleo e muito queijo. Gostoso!

Escondidinho de carne seca!
Torta de espinafre!
Fatias de amendoim do barzinho da esquina!
Sopinha de batatas com couve na panela de abóbora!
E o papai comprou um mundo véio de sementes, castanhas e frutas secas! Amo.
Mas tem que deixar o papai trabalhar, gente!

🙂

Dia dos Pais quarentenado

Em casa, de molho, passamos esse dia dos Pais.

Mas foi ótimo. Preparamos café da manhã especial para o papai, depois fizemos um almoço bacana, com direito a brigadeirão e tudo o mais.

Você sabe fazer brigadeirão?

São só 3 ovos, 1 lata de creme de leite, 1 lata de leite condensado, 1/2 xí­cara de chocolate em pó (usei cacau 100%) batidos no liquidificador e assado no microondas por 8/9 minutos. Eu dobrei a receita e coloquei granulado por cima. Ficou bom demais.

Você sabe deixar o bife ancho macio?

Derreta um pouco de manteiga e reserve. Na mesma frigideira – já quente – coloque o bife por 2:30m. Vire e deixe mais 2:30. Regue com a manteiga e polvilhe sal. O bife ancho é grosso, não se esqueça disso. 🙂 A casa fica pura fumaça, mas vale a pena.

O dia dos Pais foi ótimo. Meninos mimando o papai.. podia ser assim todos os dias. Tem gente por aqui respondão que ele só.. mas faz parte.

😀

Cenas de julho de 2020

Saí-andorinha

Resolvi fazer esse post apenas para manter em nossas lembranças o dia em que um casal de saí­-andorinhas entrou no quarto de minha menina e pousou em seu lustre. Isso foi no final de 2019.

Em verdade eles fizeram isso duas vezes e foi muito bonitinho. Ela me chamou, espantada e feliz, e foi uma grande pena que eu não estava com o telefone em mãos para documentar. Até parecia causo de pescador, já que esses pássaros não são muito vistos aqui no centro de BH, apesar de terem moradia constante no paredão da Serra do Cipó.

Um dia, rodando o Instagram, vi uma foto dos dois. Mal sabia eu que eram um casalzinho (com acentuado dimorfismo sexual), com certeza a procura de um lugar seguro para dar continuidade í  famí­lia.

Uma peninha que não quiseram ficar. Terí­amos tido todo cuidado com os dois ‘pombinhos’ e sua prole.

Cenas do 30/06/20

Hoje não tem receita, apenas fotos dos biscoitinhos que eu e a pequena fizemos juntos.

A ideia veio de um dos livros escolares, mas não estava muito certa. Então adicionamos mais 2 ovos e mais manteiga.

Enrolamos de várias maneiras e ficou muito gostoso: sequilho de coco “mãe e filha”, no olhômetro mesmo. Ela ficou orgulhosa que só… 🙂

Cenas de 20 de junho de 2020

95 dias de quarentena.

Estamos em casa e a situação do paí­s está longe de chegar ao ideal. Muitas pessoas, nós entendemos, só saberão a gravidade da coisa quando vivenciarem doenças e mortes na famí­lia.

Por aqui estamos lutando com o tal do ensino a distância. É muito difí­cil. A escola manda muitas tarefas para as crianças e eu não sei se estão errados. Estão tentando; todos estamos tentando. As aulas online duram apenas 1:30h. Depois disso, pelo menos até o fim da tarde, eles precisam cumprir com uma série de deveres, além dos que são enviados como forma de avaliação.

Para as crianças está difí­cil, para os pais está difí­cil e também está difí­cil para os educadores. Os meninos sofrem com a situação e nós, muitas vezes, não temos paciência, pois, além de acompanhá-los, temos o nosso trabalho (o Dele está aterrador em volume), a casa, a comida.

Vez ou outra pedimos comida, principalmente em época cansativa como a de agora. Hoje Ele pediu em um restaurante bem gostoso, chamado Dorsé. Eu gostei muito. Todos gostaram.

Também aproveitei, depois de fazermos uma maquete para a escola, para mexer um pouco nas plantas. Hora boa, tão boa quando estou com vontade de fazer uma comida especial. Aí­ coloco um podcast e me divirto na cozinha. E seguimos.

Page 3 of 5

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén